Textos

A estranha criatura. II capítulo
  Ele segurou a moça pelo braço e segurou a moça forte,ela gritou então
foi ai que ele Percebeu que não era ela.ele ficou uma fera. imediatamente
Soltou  a moça e pediu desculpas,saiu
Apressado.

  Passaram-se alguns dias e foi em uma tarde insolarada que ele resolveu caminhar .saiu a pé olhando tudo a seu redor,viu árvores floridas gramados verdes muitas relvas pelo
Chão.mas ao caminhar um pouco mais viu um mato fechado e se embrenhou ali mesmo.

Sabe algo que te chama atenção? e lá se foi ,de longe ele percebeu que tinha
que descubrir aquele mistério foi se aproximando devagar.ficou por trás das árvores e viu uma casa.observou e viu um vulto feminino .pensou um pouco então resolveu descubrir tudo.

  Caminhou decidido bateu palmas ai
  houve um silêncio enorme,mas ele escutou um barulho.
E mais alguns segundos a porta se abriu ele quase desmaiou.
Ficou pálido e sem palavras e congelou por alguns anos pra trás.

Veio tudo em sua mente a jovem linda
de pele rosada da qual ele se apaixonou alguns anos.doce menina,
Lembranças vieram nitidamente em
sua cabeça, seu toque feminino mãos
Ágeis , tinha tocado no seu corpo há muito tempo.eles se olharam -se por
Muito tempo.

    Agora era como se o mundo tivesse parado ali mesmo, Alfreed ficou tão,
Perturbado, que não escutou a voz
feminina dizer oi o senhor está bem?
Aos poucos,sua cabeça vai retomando
as coisas.pra sua surpresa ela estava
totalmente alheia a ele.era como se o
Visse pela primeira vez.. ele pensou um  pouco e disse desculpa senhorita até aí não houve nenhum jeito dela o reconhecer.
  
Mas agora algo aconteceu que ele não esperava.veio uma voz da cozinha e
era nada a mais que sua mãe.ele logo
Levantou com uma rapidez e disse a senhora? Mas Coram aproximou-se da filha e disse entre, que pedirei ao jovem pra retirar-se.


Ela agora virou-se de repente e falou
Com voz firme . senhor faça o favor de sair daqui.
Pálido não teve nenhum argumento
Saiu rápido sem nem olhar pra trás.
Alfreed saiu pensativo, confuso.

Chegando em casa foi até seus aposentos e lá mergulhou no tempo por alguns minutos.adormeceu.
No dia seguinte acordou cedo tomou café e foi ao celeiro,tudo em ordem mas a um minuto e ele ouviu um barulho nas árvores. Por mais que Alfreed vasculhar-se seus pensamentos era complicado pois algo tinha que ser esclarecido.rapidinho ele saiu do celeiro e caminhou alguns passos mais adiante. Para sua surpresa esteve alguém alí , tinha mato quebrado e pegadas.

Voltou em casa e foi a sua escrivaninha.abriu a gaveta pegou um
Papel e começou a rabiscar,encostou
na cadeira fechou os olhos.seu celebro foi formando rabisco de lembranças. Então fechou os olhos e mergulhou no tempo, as imagens foram surgindo aos poucos.

Estava ela em vestido azul muito solto,a caminhar por cima da relva, podia se ver o seu rosto um ar de alegria.mas nesse momento ouve -se uma batida na porta. A sua secretária
Deu uma leve batida na porta e disse
Senhor tem alguém querendo falar com você.






  





F Bernardo
Enviado por F Bernardo em 13/11/2018
Alterado em 09/06/2019


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr